março 29, 2017

WOLMIN DAHGROTA DESACOMODA




As surpresas boas da vida também acontecem no coágulo feissibuquiano.
Um dia comprei um zine numa lojinha no Rio. Doze paginas, um livro. Gostei demais do que vi e li. 

 Humor cáustico, paulada no mingo, erotismo, enfim, caldo completo.  Não resisti, do coágulo me vi num oceano com tanta informação artística, superlativa, hiperativa.

Wolmin tem 35 anos, nasceu e se criou em Marechal Hermes, subúrbio do Rio. Durante um ano morou no mato, em Simão Pereira, no interior de Minas, onde tinha um atelier  cravado na mata, suspenso no ar:  “Desde que me entendo por gente, trabalho, estudo, observo, já trabalhei com tudo que você possa imaginar, tudo pela experiência e estudo social.”


Artista plástico, formado em design e desenho industrial, cria projetos de branding e de identidade visual, grafiteiro, vários projetos como o cozinha lúdica com plantas alimentícias não convencionais; convidado para pintar algumas paredes no Hotel da Loucura, localizado no Instituto Municipal Nise da Silveira, uma  unidade da Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro, exposição fotográfica no Catete (https://soninhodotrem.wordpress.com/), exposições Metamorfases Delirantes, no Vidigal e Escombros da Vida no Coletivo 48, em Ipanema; criador da marca carioca Grotesco, que assina produtos como: Revista Modinha, Shit Fest, Pessoas são escrotas, eteceteras...





  Criador da marca carioca Grotesco, que assina produtos como: Revista Modinha, Shit Fest, Pessoas são escrotas, eteceteras...



A arte de Wolmin Dahgrota é agressiva, transgressiva e lasciva. Ele diz que amor e ódio são sentimentos inseparáveis. Eu não tenho argumentos. Navegue: http://dahgrota.com.br/dahgrota/



Disse ele: “Sou tudo .”
Disse alguém: “A escola de arte é a vida que o cerca, sua motivação é a prosa visceral do ser humano animal em meio a uma sociedade decadente! Apaixonado pela vida, trabalha com linhas orgânicas a partir do erro, percebendo que na essência não existem ângulos nem retas, a construção de uma realidade é mera casualidade. Seu desenvolvimento artístico é reflexo de sua evolução pessoal, uma constante “metamorfose ambulante”! O resto fica por conta do “ponto de vista”.



Vale a pena bisbilhotar também por aqui: